sábado, 19 de setembro de 2009

Quer saber meu CPF? Fique atrás de mim na fila do supermercado!

Essa semana que passou produzi duas grandes reportagens sobre falsificação de documentos que culminaram com a prisão de uma quadrilha. O bando agia na Praça Clovis, próximo a Praça da Sé, centro de São Paulo. Os falsários abordavam as pessoas que iriam ao Poupatempo (serviço público paulista onde se concentra a emissão de vários documentos) e ofereciam de carteira de identidade a diplomas e certidões de nascimento. No caso que mostramos, o documento falso fornecido pela quadrilha tinha dados verdadeiros de três pessoas diferentes: o RG de uma, o CPF de outra e o registro da certidão de nascimento de uma terceira. Segundo o Ministério Público, para quem entregamos o caso, esses dados podem ter sido obtidos ou de documentos roubados ou de bancos de dados oficiais com a ajuda de funcionários públicos.

Mas, na minha opinião, a questão se torna ainda mais complicada porque muitas vezes nós mesmos contribuímos em fornecer esses dados para os ladrões. É a banalização do uso de dados pessoais. Pelo menos aqui em São Paulo, qualquer um que queira obter o número de um CPF válido para usar em falsificações, basta ficar numa fila de supermercado. É que para o preenchimento da Nota Fiscal Paulista, consumidores ditam os números em alto e bom som para o caixa e para quem mais quiser ouvir.

Outro dia, num posto de gasolina, me peguei preenchendo um cupon de promoção que me dava direito a concorrer a um terreno não-sei-onde. Quando percebi estava entregando o cupon com todos os meus dados, CPF, RG, telefone e endereço, a uma pessoa que eu nem conheço. Mudei de idéia na hora, disse que depois entregava o cupon e fui embora. Quem me garante que aqueles dados não serão vendidos para as quadrilhas?

Por causa disso é bom ficar atento a tudo que se preenche por ai, mesmo nos supermercados a que vamos com frequência. Informações como essa valem ouro para os bandidos. Como diz o velho ditado "O seguro morreu de velho!"

2 comentários

Luis Delcides R Silva disse...

putz... é verdade, Ogg!!!! Eu não preencho nada, só estava fornecendo meu CPF paqra obter créditos na NF Paulista. Mas depois da sua matéria nem isso. Aliás, tenho uma histórinha sobre a sua matéria:
Uma vez eu fui renovar a minha carta de motorista, naquele Poupa Tempo Sé. Já fiquei indignado por não fazer todos os serviços lá dentro, tinha quer ser lá fora. Aí, veio um "sujeitinho" e disse: "Ah, agora é só aqui fora,não pode mais ser lá dentro" Desconfiado, pois sou jornalista,entrei no poupatempo, conversei com os funcionários e realmente, a informação do sujeito procede.
Fui lá fora, a figura me aborda mais uma vez: " e aí, é isso mesmo?" Disse: "sim". Começa a chantagem: "- Então, parceiro, precisa fazer exame médico, prova. Agora, se vc quiser se livrar de tudo, me dá R$ 200,00 que vc sai numa boa". Disse em alto e bom som: "Não!"Estudei, vim para fazer a prova e passar no exame médico!"O cara, muito desaforado, disse:"Ah, tá sabendo muito!" Disse "Sim, Você não me engana, já conheço todo o esquema daqui!" Peguei, fiz a prova, o exame médico rídiculo e renovei a minha carta"
Isso é Brasil, Ogg!
abs,

Dyego Queiroz disse...

Ogg, sou leito acíduo do seu blog.Passo por aqui todos os dias ( sempre que posso ). Gostaria de lhe enviar alguns textos que faço. Você podria me passar o seu e-mail? o meu é dyego_q@hotmail.com se puder entrar em contato comigo ficarerei extremamente fezlis. E mais uma vez, parabéns por quem você é.

Postar um comentário